Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0035-1564887
Case Report | Relato de Caso
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Tratamento cirúrgico de angiomas cavernosos na região da glândula pineal- relato de caso

Surgical Treatment of Cavernous Angiomas in the Pineal Gland- Report of a CaseJoseph Franklin Chenisz1, Douglas Shun Yokoi1, Francine Fudalli1, Larissa Luvison2, Carlos Alberto Mattozo3
  • 1Graduando em Medicina, Universidade Positivo, Curitiba, PR, Brasil
  • 2Patologista, Laboratório Citopar, Curitiba, PR, Brasil
  • 3Neurocirurgião, Preceptor Residência Médica, Hospital Universitário Cajuru, Curitiba, PR, Brasil
Further Information

Publication History

24 July 2015

31 August 2015

Publication Date:
02 October 2015 (eFirst)

Resumo

Angioma cavernoso é uma malformação vascular cujo acometimento da região da glândula pineal tem uma probabilidade de ocorrência menor que 1%. Sua etiologia é discutível; entretanto, acredita-se derivar de uma herança autossômica dominante ou de tratamento radioterápico. A ressecção total do angioma permite a cura e evita complicações da evolução natural, principalmente a hemorragia. Paciente do sexo feminino, 67 anos de idade, apresentou quadro de confusão mental e déficit de acuidade visual evoluindo com períodos de agitação psicomotora. A ressonância magnética de crânio, após injeção de contraste, mostrou lesão expansiva lobulada na região da glândula pineal com hipersinal em T1 hipossinal em SWI. Constatou-se hidrocefalia associada, e então a paciente foi submetida à microcirurgia com acesso supracerebelar/supratentorial para remoção completa da lesão. Na sequência, o exame anatomopatológico revelou malformação arteriovenosa, compatível com angioma cavernoso. O angioma cavernoso na glândula pineal, portanto, é uma malformação rara que deve ser considerada no diagnóstico diferencial das lesões expansivas da região da glândula pineal.

Abstract

The pineal cavernous angioma is a vascular malformation which has a prevalence lower than 1%. The etiology is debated. It is believed that it is originated from an autosomal inheritance or from radio-exposure. The complete resection allows the cure and prevents complications and natural evolution of the lesion, such as hemorrhagic events. A female patient, 67 years of age, presented metal confusion and visual acuity deficit, evolving to periods of psychomotor agitation. Magnetic resonance imaging of the head showed a lobulated mass lesion in the pineal region with hypersignal in T1 and hiposignal in SWI sequence. Hydrocephalus was also noticed. The patient underwent a microsurgery for the complete lesion resection though a supracerebellar / supratentorial access. The anatomo-pathology revealed an ateriovenous malformation, compatible with cavernous angioma. The pineal cavernous angioma is a rare malformation that should be considered in the differential diagnosis of expansive lesions of the pineal gland.