Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0036-1581996
Case Report | Relato de Caso
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Pneumoventrículo hipertensivo pós-traumático: relato de caso

Post-Traumatic Tension Pneumoventricle: Case ReportRicardo Macedo Camelo1, Josias Inácio da Silva2, Rafael Costa Camelo2, Moana Vergetti Malta3, Arnon Castro Alves Filho4, Washington Clésio da Silva Ribeiro4, Adans Soares Porfírio4, Daniel Fonseca Oliveira4
  • 1Mestrado e Doutorado; Neurocirurgião; Coordenador do Programa de Residência Médica em Neurocirurgia do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA), Maceió, AL, Brasil
  • 2Neurocirurgião; Preceptor do Programa de Residência Médica em Neurocirurgia do HUPAA, Maceió, AL, Brasil
  • 3Neurocirurgiã do HUPAA, Maceió, AL, Brasil
  • 4Residente em Neurocirurgia do HUPAA, Maceió, AL, Brasil
Further Information

Publication History

29 September 2015

11 January 2016

Publication Date:
14 April 2016 (eFirst)

Resumo

O pneumoventrículo e a fístula liquórica são possíveis complicações decorrentes do traumatismo cranioencefálico (TCE), principal causa de morbimortalidade relacionada ao trauma no Brasil. As fístulas liquóricas são mais comuns após traumas diretos, com fraturas da base do crânio. Já o pneumoventrículo é raro e ocorre após a drenagem liquórica excessiva, na presença de sistema ventricular pouco complacente, resultando em influxo de ar para o seu interior. A fisiopatologia do pneumoventrículo hipertensivo permanece incerta; entretanto, a causa traumática é certa, e as múltiplas fraturas de ossos da face e a fístula liquórica podem ter contribuição no processo. Se for sintomático, o pneumoventrículo hipertensivo pode provocar rápida deterioração clínica. Os autores têm por objetivo relatar um caso raro de pneumoventrículo hipertensivo após TCE com completa resolução e sem sinais de recorrência da fístula liquórica após tratamento cirúrgico.

Abstract

Pneumoventricle and fistula are possible complications of traumatic brain injury (TBI), the main cause of morbidity and mortality related to trauma in Brazil. The CSF leaks are more common after direct trauma with skull base fractures. However, the pneumoventricle is rare and occure due to excessive cerebrospinal fluid drainage in the presence of poorly compliant ventricle system, resulting in the influx of air to its inside. The pathophysiology of hypertensive pneumoventricle remains uncertain, however, the traumatic cause is right and multiple bone fractures of the face and the CSF leak may have input in the process. If symptomatic, the hypertensive pneumoventricle can cause rapid clinical deterioration. The authors aims to report a rare case of post-TBI hypertensive pneumoventricle with complete resolution and without recurrence signs of CSF leak after surgical treatment.