Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0036-1584887
Review Article | Artigo de Revisão
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Choque neurogênico: manejo clínico e suas particularidades na sala de emergência

Neurogenic Shock: Clinical Management and Particularities in an Emergency RoomDaniel Damiani1
  • 1Médico emergencista, biomédico, professor de pós-graduação em neurociências da Universidade Anhembi Morumbi, pós-graduação em urgências e emergências do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), São Paulo, SP, Brazil
Further Information

Publication History

13 April 2016

10 May 2016

Publication Date:
25 October 2016 (eFirst)

Resumo

O impacto do choque neurogênico na traumatologia não é desprezível. Trata-se de uma condição importante, associada a lesão do neuroeixo, podendo ser medular e/ou cerebral. O conhecimento de sua fisiopatologia vem aumentando, permitindo assim a redução de sua morbimortalidade com intervenções mais precisas e eficazes já na sala de emergência. Neste artigo de revisão, o autor apresenta informações atuais sobre o manejo do choque neurogênico na sala de emergência, destacando medidas neuroprotetoras que impactem positivamente em sua evolução. Diversas medidas farmacológicas ainda são questionáveis, necessitando novos estudos prospectivos e aleatórios. O momento adequado da intervenção neurocirúrgica também é discutível. Claramente, as medidas iniciais realizadas na sala de emergência são fundamentais para garantir condições adequadas a neuroplasticidade e reabilitação neuronal.

Abstract

In traumatology, the neurogenic shock has a strong impact. It is an important condition, associated with lesions in neuroaxis and can be medullar and/or cerebral. In the last years its pathophysiology has been better understood, allowing a reduction in the morbimortality with more precise and efficacious interventions already in the emergency room. In this review article, the author presents the current aspects about the management of neurogenic shock, highlighting neuroprotective measures that improve outcome. Many pharmacologic interventions are still questionable needing more prospective studies to know their real value. Also questionable is the better moment to neurosurgical intervention. Quite clearly, the initial proceedings in the emergency room are fundamental to guarantee adequate conditions for neuroplasticity and neuronal rehabilitation.