CC-BY-NC-ND 4.0 · Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0036-1594256
Review Article | Artigo de Revisão
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Estimulação elétrica da medula espinal no tratamento da angina refratária

Spinal Cord Electrical Stimulation for Refractory Angina TreatmentGustavo Veloso Lages1, 2, Jose Oswaldo Oliveira Júnior2, 3
  • 1Ambulatório de Dor, Hospital da Santa Casa de Montes Claros e Hospital Dilson Godinho, Montes Claros, MG, Brasil
  • 2Departamento de Terapia Antálgica, Cirurgia Funcional e Cuidados Paliativos da Escola de Cancerologia Celestino Bourroul da Fundação Antônio Prudente (FAP), São Paulo, SP, Brasil
  • 3Conselho Superior da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), São Paulo, SP, Brasil
Further Information

Publication History

13 June 2016

30 August 2016

Publication Date:
27 January 2017 (eFirst)

Resumo

A doença cardiovascular (DCV) é a principal causa de morte em todo o mundo, inclusive no Brasil. A angina do peito permanece como entidade clínica desafiadora devido ao fato de sua manifestação clínica nem sempre estar relacionada com o grau de obstrução. A dor visceral de qualquer origem pode ser totalmente incapacitante. Ela influencia em todos os aspectos da vida de um paciente, podendo ser uma das principais causas de interrupção das atividades laborais e da estrutura familiar. A estimulação elétrica da medula espinal (EEME) tem sido tradicionalmente aplicada para o tratamento de dor neuropática apresentando de bons a excelentes resultados. A síndrome de dor visceral pode ser tão debilitante e incapacitante como as dores somáticas ou neuropáticas; no entanto, parece haver uma falta de consenso sobre o tratamento adequado e as estratégias para estas desordens. A grande diferença na estimulação medular para a dor visceral, em comparação com a síndrome pós-laminectomia ou síndrome complexa regional, é o número de dermátomos a serem estimulados. A grande maioria das vísceras tem somatotopia de dois a quatro níveis medulares, algumas das vezes necessitando de lateralidade. Após revisão da literatura, conclui-se que a EEME é hoje uma opção viável, de baixo risco e com resultados satisfatórios para o tratamento de dores de origem neuropática e visceral, portanto, passível de utilização na angina refratária, sendo indicada após a falha da terapia padrão. Porém, ainda há necessidade de mais estudos para maior empregabilidade e eficácia do procedimento na prática clínica.

Abstract

Cardiovascular disease (CVD) is the main cause of death worldwide, including in Brazil. Survival of the clinical manifestation is not always related to the degree of obstruction. Visceral pain from any source can be totally disabling. It influences all aspects of a patient's life and can be one of the main causes of disruption of labor activities and family structure. Spinal cord stimulation (SCS) has traditionally been applied for neuropathic pain treatment, from good to excellent results. The visceral pain syndrome can be as debilitating and disabling as somatic or neuropathic pain; however, there seems to be a lack of consensus on appropriate treatment and strategies for these disorders. The major difference in SCS for visceral pain, compared to the post-laminectomy syndrome or regional complex syndrome, is the number of dermatomes to be stimulated. The vast majority of the viscera have somatotopy of two to four medullar levels, and sometimes needing laterality. After reviewing the literature, it is concluded that SCS is now a viable, with low-risk option and satisfactory results for the treatment of pains of neuropathic and visceral origin, therefore, susceptible to use in refractory angina, being indicated after failure of standard therapy. However, there is still a need for further studies for greater employability and efficacy of the procedure in clinical practice.