AIO 2012; 16(01): 082-090
DOI: 10.7162/S1809-48722012000100012
Original Article
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Evaluation of the benefit with the use of the sound amplification inchildren and teenagers

Avaliação do benefício com o uso da amplificação sonora em crianças e adolescentesNilvia Herondina Soares Aurélio1, Enma Mariángel Ortiz Torres2, Aline da Silva Lopes3, Maristela Julio Costa4
  • 1Master in Disorders of Human Communication by the Universidade Federal de Santa Maria. Speech Therapist..
  • 2Master in Disorders of Human Communication by the Universidade Federal de Santa Maria. Speech Therapist.
  • 3Master in Disorders of Human Communication by the Universidade Federal de Santa Maria. Speech Therapist from the Universidade Federal de Pelotas.
  • 4Ph.D. in Science from the Disorders of Human Communication by the Universidade Federal de São Paulo. Speech Therapist; Associate Professor from the Phonoaudiology Departament from Universidade Federal de Santa Maria.
  • Institution: Departament of Phonoaudiology by the Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria / RS - Brazil.
Further Information

Publication History

08 July 2011

12 October 2011

Publication Date:
12 February 2014 (online)

Summary

Objective: Evaluate the proportionate benefit by the sound amplification in children and teenagers attended by the program of hearing health attention by the Federal University of Santa Maria (UFSM).

Method: Participated from these study 63 individuals with age between 3 and 14 years and their family. For the evaluate the benefit proportionate by the sound amplification was applied the Infant Toddler Meaningful Auditory Integration Scale (IT-MAIS), for children with less than 4 years old; the Meaningful Auditory Integration Scale (MAIS), for infants from 4 to 7 years and the questionnaire of evaluation from the benefit in infants and young, for the individuals from 8 to 14 years.

Results: Only one individual could be evaluated through the MAIS scale, and the average punctuation found in the evaluation of the hearing behaviors was of 19,9. Were evaluated 52 individuals through the questionnaire of evaluation of benefit in infants and teenagers, and the positive answers related to the benefit proportionate by the prosthesis in different situations were the most found in all items.

Conclusions: Was verified the benefit proportionate by the sound amplification, in different situations of daily life, such as from the patient's perspective as from his family. In some cases, where were found little or none benefit, there were influence of others clinical alterations, besides the hearing loss, influencing the effective use of the hearing aids.

Resumo

Objetivo: Avaliar o benefício proporcionado pela amplificação sonora em crianças e adolescentes atendidos pelo programa de atenção à saúde auditiva da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Método: Participaram deste estudo 63 indivíduos com idade entre 03 e 14 anos e seus familiares. Para avaliar o benefício proporcionado pela amplificação sonora foi aplicada a Escala de Integração Auditiva Significativa para Crianças Pequenas (IT-MAIS), para as crianças com menos de 04 anos; a Escala de Integração Auditiva Significativa (MAIS), para as crianças de 04 a 07 anos e o questionário de avaliação do benefício em crianças e jovens, para os indivíduos de 08 a 14 anos.

Resultados: Somente um indivíduo pôde ser avaliado através da escala IT-MAIS, o qual obteve a pontuação 0 (zero), indicando ausência dos comportamentos auditivos avaliados. Dez indivíduos foram avaliados através da escala MAIS, sendo que a pontuação média encontrada na avaliação dos comportamentos auditivos foi de 19,9. Foram avaliados 52 indivíduos através do questionário de avaliação do benefício em crianças e jovens, sendo que as respostas positivas relacionadas ao benefício proporcionado pelas próteses em diferentes situações foram as mais encontradas em todos os itens.

Conclusão: Foi verificado benefício proporcionado pela amplificação sonora, em diferentes situações da vida diária, tanto pela ótica do paciente, quanto de sua família. Em alguns casos, onde foi encontrado pouco ou nenhum benefício, houve influência de outras alterações clínicas, além da perda auditiva, influenciando no uso efetivo das próteses auditivas.