Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0036-1596052
Miscellaneous | Artigo de Atualização
Thieme Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Otite externa necrotizante: uma doença pouco conhecida entre os neurocirurgiões

Necrotizing Otitis Externa: A Disease Barely Known to NeurosurgeonsSérgio Augusto Vieira Cançado1, Lucídio Duarte de Souza2, Rodrigo Moreira Faleiro3, José Maurício Siqueira3
  • 1 Residente em Neurocirurgia, Hospital Felício Rocho, Belo Horizonte, MG, Brasil
  • 2 Neurocirurgião formado pela Clínica Neurológica e Neurocirúrgica do Hospital Felício Rocho, Fundação Felice Rosso, Belo Horizonte, MG, Brasil
  • 3 Neurocirurgião da Clínica Neurológica e Neurocirúrgica do Hospital Felício Rocho, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
Further Information

Publication History

25 July 2016

19 October 2016

Publication Date:
23 November 2016 (eFirst)

Resumo

Otite externa necrotizante (OEN), também conhecida como otite externa maligna (OEM), é uma doença infecciosa grave do conduto auditivo externo. Sem o tratamento adequado pode progredir com acometimento da base do crânio. A bactéria Pseudomonas aeruginosa é o agente etiológico mais comum (cerca de 90%) e afeta pacientes imunocomprometidos, principalmente diabéticos. Otalgia crônica severa, otorreia e déficit em nervos cranianos são as apresentações clínicas mais comuns. Pacientes com OEN frequentemente são encaminhados ao neurocirurgião devido ao déficit neurológico e comprometimento da base do crânio. O diagnóstico é complexo, exige alto índice de suspeição. Diversos exames laboratoriais, de imagem e exclusão por histologia de neoplasia podem ser necessários. O tratamento precoce e agressivo reduz a morbimortalidade. Apresentamos quatro casos de OEN para ilustrar o espectro de apresentação clínica e exames complementares. De acordo com a literatura, é necessário mais empenho para diagnóstico e tratamento precoce, e o neurocirurgião tem importante papel nessas tarefas.

Abstract

Necrotizing otitis externa (NOE), also known as malignant otitis externa (MOE) is a severe and rare infective disease of the external auditory canal. Without treatment It may progress to skull base involvement. The bacteria Pseudomonas aeruginosa is the most common causative agent (approx. 90%) and affects immunocompromised subjects, particularly diabetic. Severe chronic otalgia, otorrhoea and cranial nerve palsy are the most common clinical presentations. Patients with NOE are frequently referred to neurosurgery because of neurological impairment and skull base compromise. Definitive diagnosis is frequently elusive, requiring a high index of suspicion. Various laboratory, imaging modalities, and histologic exclusion of malignancy may be required. Early diagnosis and aggressive treatment reduce morbidity and mortality. We present four NOE cases to illustrate the spectrum of clinical presentation and complementary exams. According to literature, more effort to early diagnosis and treatment is necessary and neurosurgeons play an important role in this task.