CC-BY-NC-ND 4.0 · Arq Bras Neurocir
DOI: 10.1055/s-0037-1615781
Review Article | Artigo de Revisão
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Traumatismos raquimedulares – quando a tomografia inicial é insuficiente?

Spinal Cord Injuries – When is the Initial Tomography Insufficient?
Pedro Augusto Sousa Rodrigues
1  Departament of Neurology, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brazil
,
Enrico Ghizoni
1  Departament of Neurology, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brazil
,
Helder Tedeschi
1  Departament of Neurology, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brazil
,
Andrei Fernandes Joaquim
1  Departament of Neurology, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brazil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

01 November 2017

22 November 2017

Publication Date:
21 December 2017 (eFirst)

Resumo

Introdução O trauma raquimedular (TRM) é frequente no paciente politraumatizado. O exame padrão para avaliação inicial é a tomografia computadorizada (TC), dada a alta sensibilidade e especificidade quando comparada às radiografias simples da coluna. Entretanto, a TC é insuficiente em algumas situações, principalmente no diagnóstico de lesões ligamentares e medulares. O objetivo deste trabalho é mostrar situações em que a TC não foi suficiente para o diagnóstico das lesões medulares e o manejo dos pacientes com TRM.

Materiais e Métodos Apresentamos quatro pacientes, vítimas de politrauma, com TC normal na admissão, e com lesões da coluna instáveis ou que necessitaram de tratamento cirúrgico.

Discussão Os casos em questão retratam a necessidade de vigilância neurológica contínua com exame físico seriado e realização de ressonância magnética (RM) em casos de lesão neurológica não explicada pela TC ou suspeita de instabilidade oculta.

Conclusão A TC nem sempre é suficiente para o manejo do TRM. A avaliação global dos dados clínicos, achados tomográficos e, eventualmente, da RM, é fundamental para escolher a melhor conduta.

Abstract

Introduction Spinal cord injury (SCI) is common in polytrauma patients. The standard exam for initial evaluation is computed tomography (CT), due to its higher sensitivity and specificity when compared with plain radiographs. However, CT is not enough for the management of some cases, especially to evaluate ligamentous and spinal cord injuries. The objective of this study is to demonstrate clinical scenarios in which the CT scan was not enough to guide the treatment of SCIs.

Materials and Methods We present the cases of four polytrauma patients with normal CT scans at admission and with unstable or surgically-treated lesions.

Discussion The cases reported evidence the need for ongoing neurological surveillance with serial physical examination and magnetic resonance imaging (MRI) in cases of neurological injury not explained by CT or occult instability.

Conclusion Computed tomography doesn't always provide enough information to properly manage all SCI cases. The sum of the clinical data, CT scan findings and, in some cases, MRI findings may be necessary in order to choose the best management.