CC BY-NC-ND 4.0 · Arq Bras Neurocir 2002; 21(01/02): 56-59
DOI: 10.1055/s-0038-1625080
Notícias
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Aneurisma gigante da artéria comunicante anterior como causa de hipopituitarismo: Relato de caso e revisão da literatura

Secondary hypopituitarism due to a giant aneurysm of the anterior communicating artery. Case report
José Augusto Burattini
,
Arthur Cukiert
,
Élcio Machado
,
Alcione Sousa
,
Joaquim Oliveira Vieira Jr.
,
Bernardo Liberman
Further Information

Publication History

Publication Date:
11 January 2018 (online)

Resumo

A associação de hipopituitarismo e aneurisma de comunicante anterior é rara. Os mecanismos fisiopatológicos incluem a compressão da haste, da glândula hipofisária ou do hipotálamo ou a destruição da glândula, conseqüente ao efeito de massa dentro da sela turca.

Relatamos um caso de hipopituitarismo secundário a aneurisma gigante selar e supra-selar, acometendo um paciente de 51 anos, sexo masculino, com cefaléia hemicraniana esquerda refratária, apatia e diminuição importante da acuidade visual, principalmente do olho esquerdo. Os exames mostraram hipopituitarismo e aneurisma gigante (5 cm) selar e supra-selar parcialmente trombosado da artéria comunicante anterior. Após a exérese cirúrgica houve melhora da acuidade visual e da síndrome frontal, porém não houve melhora da função endocrinológica.

O hipopituitarismo secundário a aneurisma cerebral é raro. Esses aneurismas podem manifestar-se com déficit visual, hemorragia meníngea, síndrome frontal e alterações endocrinológicas. Os sintomas causados pelo efeito de massa do aneurisma poderão melhorar se houver descompressão da haste, da glândula ou do hipotálamo e estando a pituitária viável. A preservação intra-operatória da integridade das estruturas do eixo hipotálamo–hipofisário é fundamental nesses pacientes.

Abstract

The association of hypopituitarism and giant aneurysm is uncommom. Pathophysiologic mechanisms include compression of the hypothalamus or pituitary stalk, interfering with the delivery of releasing and inhibitory factors to the pituitary and destruction of the pituitary tissue itself by the expanding mass lesion.

A 51-year-old man presented with chronic headache, visual disturbance and severe apathy. Magnetic resonance and angiography revealed a large sellar and suprasellar aneurysm measuring 5 cm in diameter. The aneurysm was dissected, clipped and resected through a right pterional approach. Pituitary function did not improve, but the frontal lobe syndrome and visual deficit recovered.

In this patient, hypopituitarism may have been caused by the destruction of the pituitary by the giant aneurysm of the anterior communicating artery complex that projected into the sellar region or by the compression of the stalk or hypothalamus. The visual deficit and frontal lobe syndrome were caused by the mass effect of the lesion. Visual and cognitive improvement may be seen postoperatively in these patients but endocrinological recovery is rare.

*Neurocirurgiões.


**Endocrinologistas.